terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Crônica - Texto sobre o amor


Escrevi um pequeno texto ontem cheio de amor e deixei para postar hoje com o intuito de fazer a terça-feira uma data limite para postar alguma coisa nova; bobagem. Quase que não posto. Devido a recentes acontecimentos passei a discordar de alguns pontos significativos do que tinha escrito, mas como era a única coisa que tinha pronta de imediato, postei.
Sei que tudo isso é extremamente irrelevante para vocês que estão lendo, para mim também é; no entanto penso que futuramente, quando eu morrer e algum diretor vir fazer um documentário sobre minha vida essas pequenas coisas vão se tornar interessantes.

 Texto abaixo:

 "Qual o sentido do amor ?

É interessante como o amor se apresenta de diversas formas, ora apresenta-se sutil e delicado com traços de sorrisos, olhares desconfortáveis, suspiros; ora apresenta-se sem temor do depois, forte, sedento e embora os poetas da noite ousem decifrá-lo acabam se decepcionando quando percebem que é impossível entendê-lo.
Eu já não preciso entender o amor e sinto-me feliz enquanto ainda senti-lo.
Procurei encontrar nos deuses o amor, no céu estrelado, no papel rabiscado e molhado de vinho; mas fui encontrá-lo refletido em dois olhos caídos de sono, sublinhados por um sorriso adormecido.
Não quis parecer bobo, nem entregue ao sentimento.
O sentindo do amor talvez seja essa loucura mesmo, essas contradições, emoções, desilusões, o medo de perder, a alegria de ganhar. Eu não quero viver nesse mundo sem o sofrimento de amar e toda poesia que brota, não quero; Pois o amor não é só feito de alegrias.
O sentido do amor é não ter sentido !"

Wagner França

Nenhum comentário:

Postar um comentário